Links de acessibilidade

Controle na Amazônia

O governo brasileiro lançou no dia 8 de maio o Plano Amazônia Sustentável (PAS) com o objetivo de controlar as atividades ilegais na floresta e criar alternativas econômicas viáveis para a população local.

Segundo o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a iniciativa promete promover o desenvolvimento da região, conservando recursos naturais e a biodiversidade e valorizando as comunidades tradicionais.

Entre as medidas previstas estão a contratação de cerca de 2,5 mil agentes de defesa ambiental, o apoio à comercialização de produtos do extrativismo e o mapeamento de propriedades rurais, além da ampliação do crédito e do apoio para atividades sustentáveis.

Mas como mostrou a reportagem da BBC Brasil sobre a Reserva de Uatumã, o controle sobre as atividades realizadas na floresta Amazônica é muito difícil.

O administrador da reserva, Rudnney Santana, admite que um dos problemas na região é a falta de recursos para fiscalizar e combater infrações. Também há quem reclame de falta de infra-estrutura básica.

Qual seria a melhor solução para controlar o que acontece na Amazônia brasileira? Programas que envolvem as comunidades locais vão resolver o problema? Como devem ser punidas pessoas envolvidas com grilagem e desmatamento?

Envie a sua opinião para a BBC Brasil!

Publicado: 13/Mai/2008 16:24 GMT

COMENTÁRIOS

Número de Comentários:328

Comentários com mais recomendações aparecem primeiro.

Enviado: 11/Nov/2008 16:50 GMT

Eu acho que o governo brasileiro deveria por uma fiscalização mais rigorosa, como alterar a pena para grilagem e desmatamento para uma mais drástica, ou seja, alguns anos de prisão. Sabemos que tal fato é de difícil aceitação porque este processo envolve pessoas de gande influência na esfera econômica e política. Cabe ao governo escolher se protege a Amazônia ou protege o bolso desses infratores. Pois policiamento eficiente para esta tarefa nós temos, o que necessitamos é de iniciativas.

Márcio Niterói

Enviado: 16/Out/2008 12:53 GMT

Enquanto não houver reforma do judiciário e o governo não disponibilizar recursos para a fiscalização efetiva e permanente, a Amazônia continuará a ser devastada pela ganância, seja ela por parte de fazendeiros, madeireiros ou mineiros.
As leis que ditam a proteção da Grande Área,são brandas, ou melhor, poderiam até resultar em uma verdadeira proteção ou exploração consciente, mas a justiça é morosa, os processos se arrastam e os culpados estão aí a rir de tudo e de todos,sem cessar a pilhagem.

Darci Nunes Porto União

Enviado: 12/Out/2008 13:55 GMT

Um dos problemas do descontrole é que não se sabe exatamente o que controlar em razão da imensidão da região. Mas acho que o Brasil deveria utilizar em sua plenitude todo recurso tecnologico que hoje poderia dispor, não poupando recursos. Um desses recursos seria o controle via satélite em tempo real pelo exército, como meta para a interdição incondicional de qualquer atividade de incendio e desmatamento. Toda atividade de levantamento cadastral ficaria a cargo de outros orgãos burocráticos.

Paulo K São Paulo, Brasil

Enviado: 3/Out/2008 19:10 GMT

Tal qual os radares fotográficos nas rodovias,o monitoramen-
to via satélite,hoje disponível em qualquer terminal,passaria a ter
fé pública.
Diariamente o contrôle pode ser feito automaticamente,infor-
mando a latitude,a longitude,e a extençaõ do desmatamento.
Alterando-se a legislaçaõ,a desapropriaçao seria imediata´
sem qualquer tipo de indenizaçaõ.
Quem teria corajem de fazer um palito,sabendo que prote-
çaõ política naõ vale mais.

caio augusto b.lucchesi saõ paulo

Enviado: 25/Set/2008 14:23 GMT

Quanto desconhecimento... Moro num pequeno município, no início da chamada Floresta Amazônica. Primeiro, as ações predatórias acontecem pelo nosso estilo de vida: madeira para nossas construções, móveis para nossas residências. Depois vem a bovinocultura: carne para nossa alimentação. Em seguida, plantações de soja, cana e algodão. Tudo isso interessa a quem? A todos nós, inclusive a quem mora no sul e sudeste do país. Deixemos de hipocrisia. Só a mudança de nossos hábitos de consumo mudará a am

Nelson Feliz Natal

Enviado: 23/Set/2008 20:44 GMT

Armas nucleares???Que disparate! Quem queira buscar culpados e verdugos que começe por limpar sua própria casa pois, quem desmata, quem rouba, quem mata para devastar a selva amazônica são os brasileiros. É certo que algumas multinacionais- muitas não são americanas- estão se aproveita do vazio legal existente, da inércia da população, que não sabe o que têm, e dos milhares de políticos corruptos desse imenso Brasil.
Aqueles que promovem as armas nucleares estão em pró de outros interesses...

Roberto Ugolini Barcelona Espanha

Enviado: 18/Set/2008 15:20 GMT

primeiro o governo brasileiro tem que querer resolver ter postura e atitude não só ficar reclamando , hoje a satelites que da para ver até a marca da sua calça , mas o governo brasileiro não tem nem radar para acompanhar os aviões pela amazonia é ridiculo isso se quiser proibir as queimadas em tempo real tem sim como ver e ter atitude energicas e fazer cumprir as leis mesmo que brandas , mais aqui vai presso neste pais é pobre , ou quem não paga penção alimenticia ,

jaime augusto barueri

Enviado: 15/Set/2008 7:34 GMT

Acabando com a corrupção política, erradicando o coronelismo, investigando o Movimento dos Sem Terra, investindo em recursos tecnológicos de vigilância e defesa e, principalmente, na criação de uma polícia florestal federal para a Amazônia com um corpo efetivo de, não menos, 20.000 homens bem preparados e conhecedores da fauna e flora do Brasil.

Roberto Ugolini Barcelona Espanha

Enviado: 8/Set/2008 0:00 GMT

O Poder Público deve se fazer mais presente, por meio da contratação de servidores principalmente relacionados à Segurança Pública colocando-os nas áreas mais conflitadas da Amazônia . Trata-se de um lugar "sem lei" no qual o Estado tem obrigação de fazer o "Direito" chegar até lá. Só assim é que tais ações serão coibidas. Programas irão ajudar, mas não resolver o problema. A punição dos envolvidos deve ser feita adequadamente, pois lá existem criminosos e trabalhadores.

Renato

Enviado: 4/Set/2008 23:40 GMT

O BRASIL DEVE COLOCAR BASES DO EXERCITO,MARINHA E AERONAUTICA, ESPALHADAS PELA AMAZONIA, COM UM CONTINGENTE DE NO MÍNIMO 20.000 HOMENS, AFINAL ESTE PATRIMONIO, É MAIS IMPORTANTE ATÉ QUE O PETROLIO RECEM DESCOBERTO.

giovani mascarelllo alecrim rs

Enviado: 23/Ago/2008 20:40 GMT

Proibir a exportação de madeira amazônica sera o primeiro passo
Como é que pode empresas estrangeiras derrubar árvores centenárias da floresta e vender lá fora ? Quem deu autorização para elas se intalarem aqui?Qem vendeu 80 milhões de hectares da amazonia para uma empresa suiça?Quais são os países que compram madeira da amazônia? Enquanto estas questões não forem respondidas, não haverá controle deste crime ambiental.

lio aguiar santa maria

Enviado: 17/Jul/2008 12:26 GMT

O povo brasileiro tem que abrir os olhos,não podemos ficar de braços cruzados com relação a nosso território,como cidadão brasileiro estou pedindo que as forças armadas tomem conta da Amazônia e pesso que nossos governantes façam um progeto de léi proibindo a venda de terras para estrangeiros.
Vamos defender nosso país.

marcio arruda fortaleza

Enviado: 11/Jul/2008 20:52 GMT

Quase toda exploração realizada na amazônia tem origem na miséria e na falta de educação. Se realmente não conseguimos controlar as ONGs e os grileiros podemos exigir que os países desenvolvidos parem de comprar madeira e extratos retirados de nossas florestas.
1) PAÍSES DESENVOLVIDOS PAREM DE COMPRAR NOSSA MADEIRA ILEGAL !!!
2) PAÍSES DESENVOLVIDOS QUE REALMENTE SE PREOCUPAM COM A AMAZÔNIA INVISTAM NA EDUCAÇÃO DO POVO PARA UM MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA!!!
Aí talvez possamos fazer algo.

Flavio Carvalho Rio de Janeiro

Enviado: 8/Jul/2008 11:25 GMT

arregaçar as mangas e trabalhar com as "mãos limpas". Se fizer corpo mole, não haverá jeito. O gringo toma mesmo, e pronto. O país está desarmado.

Luís D'Avelosa Salvador

Enviado: 19/Mai/2008 9:50 GMT

Neste planeta, não há civilização sem agressão à natureza. Em regime capitalista agregado a economia de mercado globalizada, não há empreendimento privado que sobreviva, caso negligencie seus próprios interesses. Cabe ao privado cuidar do que é privado, cabe ao público cuidar do que é público. Não sejamos hipócritas. No início, tudo era natureza. Cada qual destruiu "o seu pedaço" unicamente visando seus próprios interesses. Agora essa conversa ! HIPÓCRITAS ! ! querem natureza? paguem $ e terão !

Campos Barra do Bugres

Sites da BBC

Esta pgina melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora voc seja capaz de ver o contedo da pgina, no poder enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que voc instale um navegados mais atualizado, compatvel com a tecnologia.